Reveja outras expedições

UMA VISITA À ILHA GRANDE – RIO DE JANEIRO – JUNHO DE 2017

No dia 25 de junho de 2017 , partimos Cledson Barboza , Maurício Verboonen e eu, no rumo da Ilha Grande, no litoral sul do Rio de Janeiro,...

domingo, 18 de março de 2018

VISITA AO RIBEIRÃO RODA-CUIA - GOIÁS – NOVEMBRO DE 2001


Relato de uma excursão realizada em novembro de 2001, pelo naturalista Orlando Graeff, durante viagem a Goiás, revisada e transcrita para este blog das Expedições Fitogeográficas

Cattleya walkeriana - orquídea-símbolo de Piracanjuba, em Goiás

Durante uma passagem pelo Município de Piracanjuba, no estado de Goiás, em novembro de 2001, ocasião em que meu saudoso amigo e companheiro de trabalho Luiz Campos Filho e eu lá estivemos, por conta de um projeto paisagístico e arquitetônico, visitamos o ribeirão Roda Cuia. Tratava-se de uma área de terras semisselvagens, situada mais ou menos a Leste da cidade, na qual se pretendia implantar uma unidade de conservação, com objetivo principal de conservar o habitat da famosa orquídea Cattleya walkeriana, um tipo de planta-símbolo da cidade. Esta linda orquídea representa paixão fundamental para os colecionadores de Piracanjuba, de onde já saíram belos clones em cultivo e onde se realizam conhecidas exposições de orquídeas, em que esta espécie é um mote especial.

 Segundo a cartografia então disponível no Município, essas terras se encontravam encravadas entre cristas e franjas da Serra de São José, sendo centralizadas pelo curso d’água denominado ribeirão do Roda-Cuia, um afluente da margem esquerda do Rio Piracanjuba.  A região é bastante antiga, do ponto de vista de sua utilização agropecuária, estando a maior parte das terras de Piracanjuba há muito aculturadas e pouco restando da fisionomia original dos cerrados que outrora lhe cobriam. Como seria de se esperar, as serranias e morros acabaram sendo os detentores dos últimos redutos de vegetação nativa e esta Serra de São José se tornava, nessa época, alvo dos esforços conservacionistas do Governo Goiano e do Município de Piracanjuba.

Para lá seguimos meu cicerone e guia Sebastião Aparecido da Silva e eu na manhã do dia 22 de novembro de 2001. Sebastião, que os iniciados na orquidofilia conhecem como Sebastian, me conduziu em seu carro, percorrendo curto trecho de estradas asfaltadas (GO-217) e ganhando logo uma estrada de terra em razoável estado de conservação, no rumo daquelas serranias. A paisagem que circunda Piracanjuba é das mais agradáveis e remete às colinas suavemente onduladas do Brasil Central. Pastagens e pequenas lavouras de subsistência surgem aqui e ali, sem a marca modernista das extensas lavouras, tão comuns no Centro-Oeste. Segundo consta, a região de Piracanjuba representa uma das mais importantes bacias leiteiras de Goiás e isso ficava bem claro, quando percorríamos essas estâncias, onde se observava gado de boa qualidade a pastar, em capineiras bem formadas e dispondo de suficientes aguadas por todos os lados.

A certa altura, pegamos outra estrada derivativa daquela que percorríamos, tomando um rumo ainda mais a Leste e começando a ver terras gradualmente mais selvagens, onde cerrados e cerradões ainda persistiam de pé. Já através de caminhos bem mais rústicos, começamos a percorrer terrenos bem mais acidentados do que aqueles de antes. Em determinados momentos, viam-se rochosos que afloravam da forma típica em Goiás — matacões de pedra enegrecida e calcinada pelo clima severo do Centro-Oeste. Pareciam ser as primeiras cristas da referida Serra de São José que se estendia mais ou menos paralelamente ao nosso rumo, sempre à nossa direita.

As pastagens, bem mais novas do que aquelas das cercanias de Piracanjuba, ainda sustentavam de pé, em meio ao capim, velhos troncos de árvores que deviam dominar estas paisagens. Calcinados pelo fogo ou em estado moribundo, testemunhavam o ocaso lento dos cerrados e cerradões, frente ao inexorável desenvolvimento da pecuária que buscava novas terras pelo interior do país. A riqueza atropela a natureza de maneira impiedosa e não parecem surgir argumentos ambientalistas que consigam refrear a marcha devastadora dos tratores e bois sertão adentro. Estávamos ali, Sebastian e eu, justamente à procura de razões que justificassem futuros projetos de conservação para a Serra de São José e ribeirão Roda-Cuia. Talvez a beleza dessas terras e eventuais sinais de sua diversidade biológica pudessem atrair turistas e amantes da natureza, através de projetos ecoturísticos. Nessa esperança, realizamos uma pequena parada à beira da estradinha, para um rápido reconhecimento do cerrado.


Confesso que estranhei o súbito interesse de Sebastian por um diminuto fragmento de cerrado de aparente pouca importância, situado tão à margem da estradinha rural. Contudo, confiante no conhecimento de meu guia sobre a natureza regional, segui-o e adentrei a vegetação, enquanto já o escutava dizer o mágico nome da mais importante das orquídeas desta região: Cattleya walkeriana. Pessoa de conversa comedida, Sebastian não jogava muita conversa fora e, se proferia de forma animada o nome da bela planta, era sinal evidente de sua presença. E ali estavam elas, não uma, mas dezenas delas a vicejar em diversas alturas nas arvoretas tortuosas do cerrado intrincado.

Cabe notar que o fragmento que observávamos, apesar de já bastante marcado pelas atividades humanas, se tratava de uma fisionomia típica de cerradão, apesar de meio enfezado em altura e forma. Constituía-se de algumas árvores típicas do cerrado, tortuosas e suberificadas, entremeadas por uma infinidade de arbustos e até lianas. O espaço entre as árvores, sombreado que era, não se apresentava ocupado por gramíneas, como costumam ser os cerrados strictu senso (cerrados abertos), mostrando-se atapetado por espessa manta de serrapilheira. E era neste ambiente semissombreado que medrava grande quantidade de plantas jovens e maduras da orquídea Cattleya walkeriana, juntamente com uma espécie muito característica do gênero Bulbophyilum, com pseudobulbo arredondado, pequeno, e folha teretiforme.

Essas orquidáceas também colonizavam os galhos mais altos de algumas árvores, onde pareciam estar as plantas mais vigorosas e velhas. Naturalmente, aquele sub-bosque que examinávamos era um grande berçário de orquídeas. O crescimento de algumas dessas árvores e sua consequente emergência na altura do dossel levaria muitas delas a se consagrar na luta pela luz, enquanto boa quantidade dessas preciosas plantas iria perecer ali mesmo, vitimada pela competição dura pela vida.

O referido fragmento de cerrado acompanhava a estrada à forma de corredor, confinando-se entre ela e uma cerca que limita pastagens bem extensas. Não deixava de ser uma maneira acertada de se manter uma propriedade — cercada por corredor de vegetação nativa, sem contato direto com as estradas. Mas certamente era pena o fato de constatarmos que farta quantidade de cerrados ricos em espécies de orquídeas já haviam sido aniquilados, para formar aquelas pastagens. Na beira dessas pastagens, ainda pudemos observar alguns exemplares da orquídea que persistiam, um deles vegetando diretamente sobre a superfície de uma pedra, mostrando a grande adaptabilidade da planta. Também observamos uma bromélia (Aechmea bromeliifolia) agarrada a um tronco e tomando partido da sua boa situação de luz.

O hábito de se manterem alguns exemplares arbóreos espetados sobre as pastagens sempre se revelou importante aliado da conservação, nas terras goianas e por todo o Cerrado. No Mato Grosso, muitas terras formadas como pastagens ainda exibem testemunhos da biodiversidade original e fornecem abrigo a aves e outros bichos. Porém, diante da nova expansão de fronteiras agrícolas naquele estado, se dava sobre as terras pecuárias, essas árvores vão sendo derrubadas impiedosamente para a viabilização da mecanização. Com isso, se vai por terra, literalmente, o que resta de chances de sobrevida à natureza do Centro-Oeste. Rogo à sorte para que estas terras goianas não se vejam descobertas como aptas às atividades agrícolas de natureza extensiva. Assim, talvez se consiga dar alguma sobrevida a essas orquídeas, bromélias e demais joias biológicas (frase mantida do texto original de 2001).

Nos galhos dessas arvoretas, em suas porções mais ressecadas e iluminadas, também podíamos observar exemplares de outra bromeliácea: Tillandsia streptocarpa. Trata-se de uma espécie típica do Brasil Central, com penetração no sul e no semiárido. Estava sem flores, mas suas inflorescências se preparavam para emiti-las. As flores de T. streptocarpa são azuladas, com pétalas vistosas e costumam exalar agradável perfume, quando abrem.

Entre os arbustos a arvoretas, destacavam-se: Tocoyena formosa e Alibertia edulis, o marmelo-de-cerrado (Rubiaceae); Anarcardium humile, o cajuzinho (Anacardiaceae); Dalbergia miscolobium (Fabaceae); Campomanesia pubescens (Myrtaceae), a famosa guabiroba; Himatanthus obovatus (Apocynaceae); Kielmeyera coriacea (Calophyllaceae); Syagrus flexuosa (Arecaceae); Vochysia spp. (Vochysiaceae); Handroanthus ochraceus (Bignoniaceae), entre tantas outras, sendo a região rica em exemplares de pequizeiro (Cariocar brasiliense – Cariocaraceae). Os terrenos eram inteiramente coalhados de pedras, que afloravam do chão e se mostravam arredondadas e trabalhadas por antigos processos erosivos. Satisfeitos com as primeiras surpresas botânicas, partimos no rumo das escarpas da Serra de São José, local que almejávamos nesta excursão.

Após atravessarmos algumas porteiras e sedes de fazendolas rudimentares, aproximamo-nos do local que visitaríamos. Notava-se a iminência de forte declive à nossa frente. Sebastian alertava para a provável dificuldade que teria seu carro, um veículo pequeno, com tração dianteira, em vencer a subida de volta do barranco, caso descêssemos embarcados aquele trecho de estrada. Decidimos, pois, deixar o carro à beira da estradinha e nos lançar ao interior do cerradão, em busca de conhecimento. É interessante a nítida confluência entre dois tipos característicos de vegetação neste ponto: Acima da vertente da serra, onde estávamos, dominam cerradões e cerrados, em confuso sombreamento mútuo. Morro abaixo, descendo por dentro das furnas, surgem matas secas muito altas que, embora já bastante degradadas, ainda exibem altaneiras árvores.

acima - altaneiro pau-óleo fotografado durante expedição ao Roda-Cuia, em novembro de 2001

acima - matas de aroeiras sendo aos poucos destrinchadas, para implantação de assentamentos, em 2001, no vale do rio Roda-Cuia, Piracanjuba, Goiás

Esgueirávamo-nos por entre a vegetação agreste, sem tentar abrir caminho, coisa que demandaria muito tempo. Não receávamos nos perder pelo fato de que a serra era bastante regular, tendo, acima dela, uma estrada que lhe acompanhava paralela. Abaixo, no centro de uma extensa grota, existiam diversas lavourinhas novas, pertencentes a um assentamento de trabalhadores rurais. Sobre este assentamento, caberão mais adiante algumas observações pertinentes. O terreno era pedregoso e inclinado, percebendo-se inúmeros caminhos naturais de água que já causavam erosão.

As bordas de chapada, como era o caso desta serra que ora visitávamos, constituem focos naturais de processos erosivos agressivos. Essa característica geomorfológica é responsável pela proteção legal que recebem no Código Florestal Brasileiro e outras tantas leis de proteção ambiental. São terrenos que testemunham a lenta e gradativa corrosão que sofre o Planalto Central Brasileiro, antiquíssimo conjunto geológico que domina o Brasil Central. Esse aspecto de evolução do relevo ocasionava um verdadeiro complexo de grotinhas interdigitadas, matacões e ravinas por onde caminhávamos com relativa dificuldade. Devido ao avançado da estação das chuvas, corriam filetes de água por algumas dessas grotas, emprestando impressão um pouco mais amena ao ambiente.

Em meio a uma vereda formada pelo afloramento da rocha, encontramos uma população de bromeliáceas da espécie Dyckia cf. leptostachya. Tendo já florescido havia algum tempo, nenhum material botânico pôde ser coletado. Algumas plantas se mostravam bem idosas, tendo desenvolvido característicos caules, que as elevavam sobre o solo quente e exposto.

Nosso passeio culminou na beirada de um soberbo rochoso, com grandes superfícies expostas de rocha enegrecida, de onde podíamos divisar lindamente todo o vale abaixo de nós e a outra vertente deste conjunto da Serra de São José. Pudemos explorar, em suas bordas, locais em que se costuma encontrar flora característica. A procura não decepcionou e pudemos achar algumas preciosidades extremamente atraentes e que revelaram a biodiversidade regional. Colônias intactas de uma cactácea esferoidal – Discocactus diersianus - cobriam largas faixas da rocha escura. Grande quantidade das bromélias Dyckia cf. leptostachya completava os jardins rupestres. Procurando mais, entre as faixas de terrenos espremidas pelas rochas, surgiam exemplares de outra bromeliácea do gênero Bromelia.

acima - Discocactus diersianus, cactácea ameaçada da região do Roda-Cuia

 


 acima - bromélia Dyckia leptostachya dos afloramentos da Serra de São José, próximo a Piracanjuba



acima - Aspecto de afloramentos rochosos, na crista da Serra de São José, no Roda-Cuia



O encontro entre a vegetação de cerradão denso e os afloramentos da rocha era outro espetáculo inesquecível, formando como que esculturas torneadas, nas quais não se sabia bem o que eram pedras ou raízes e troncos retorcidos das árvores. Cores e formas se fundiam como se fizessem parte de um monumento natural. Árvores como o imbiruçú (Pseudobombax longiflorum – família Malvaceae) são conspícuas nesses locais e muito se prestam aos jogos artísticos da mãe natureza.

Desse belvedere natural, conseguíamos ter extensa visão da paisagem abaixo. O que víamos ali de cima nos convidava a pesquisar mais de perto: era o belo conjunto entre as montanhas e matas secas goianas, espremidas nas saias das vertentes e tocando a grande clareira formada pelos recentes assentamentos de trabalhadores sem-terra. Essa zona de tensão nos instigava a ir lá e constatar a real situação da natureza diante do avanço humano em curso. Decidimos, pois, descer ao vale e conhecer de perto aquele quadro. Também tínhamos em mente vasculhar as nascentes de um córrego que se espalhava pelo centro do vale. Sebastian resolveu tentar a descida com seu automóvel.

Descer a estradinha que leva ao fundo do vale era passeio que entristecia um pouco. A despeito da persistência das matas no lado direito, abaixo do ponto em que estivéramos, podiam ser observados sinais claros da devastação em curso. O processo recente de destruição da vegetação parecia mesmo ter se iniciado com a chegada dos assentados que, como seria de se esperar, ocuparam as manchas mais férteis de solo, justamente aquelas que abrigavam as derradeiras reservas de mata de aroeira. Podiam ser vistas extensas lavouras e roçados, ainda com restos das grandes árvores. A maior parte da madeira fora certamente retirada, com destaque para a valiosa aroeira (Myracrodruon urundeuva – família Anacardiaceae), espécie que ainda podia ser observada, representada por exemplares jovens e imprestáveis para o corte.

Ao lado da estrada, jazia um tronco de ipê (Handroanthus sp. – Bignoniaceae) preparado para ser transportado para a madeireira. Cabe ressaltar que, tanto a aroeira quanto os ipês já se encontravam protegidos pela lei que, há algum tempo, proíbe seu abate na natureza. Isso não parecia estar impedindo o corte dessas tantas árvores no local e nenhuma fiscalização deveria estar sendo feita, uma vez que a madeira era retirada sem constrangimento pelos posseiros. Num ponto à direita da estrada, antes do final da descida, resolvemos parar o carro e adentrar a mata alta que ali pode ser vista.

Era decididamente emocionante para mim, como naturalista, penetrar pela primeira vez no interior de uma autêntica mata seca goiana. Durante tantos anos, observara o lento ocaso e o desaparecimento desta qualidade de vegetação no sul do Mato Grosso, sem que tivesse a oportunidade de visitá-la. Por muitos anos também, passara lado a lado com a floresta continental do Brasil Central, em regiões como Rio Verde e Itumbiara (GO), sem que me aparecesse uma simples chance de conhecer sua natureza. Desta feita, em Piracanjuba, surgia esta oportunidade de vivenciar tão soberba floresta, ainda que reduzida a um fragmento um tanto restrito. E foi com os olhos extasiados e curiosos que penetrei na mata da Serra de São José.

(Observação: Ainda durante esta viagem, tivemos a oportunidade de visitar mais uma dessas matas secas goianas, desta vez, no Santuário Vagafogo, reserva particular pertencente a Evandro Ayer , em Pirenópolis, região central de GO.)

Erguia-se a floresta à forma fisionomicamente semelhante àquela amazônica, marcada pela ocorrência de algumas espécies mais comuns. Entre elas, saltavam aos olhos, pelo seu agigantamento no dossel superior, o jatobá (Hymenaea courbaril var. stilbocarpa – família Fabaceae) e o pau-óleo (Copaifera langsdorffii – família Fabaceae). Não obstante a existência de espécies características do sub-bosque, este parece ser formado predominantemente por plântulas das grandes árvores dominantes. Com isso, podia-se divisar extensa área ao redor, uma vez que o ambiente era relativamente aberto. Epífitas havia poucas, provavelmente existindo maior quantidade nas galhadas superiores das grandes árvores, longe do alcance de nossos olhos. Sebastian assegurou que a Cattleya walkeriana existia por ali, mesmo na mata seca. Vegetando sobre os troncos, onde podíamos ver, apareciam exemplares de orquídeas amazônicas, tais como Aspasia variegata e Lokhartia lunifera. Bromeliáceas também há poucas, notando-se tão somente Aechmea bromeliifolia e alguns poucos exemplares do que parecia ser Tillandsia geminiflora var. incana.

A madeira aproveitável ia sendo extraída, certamente de forma ilegal, mostrando que, desprovidas de planos de manejo e utilização, essas florestas caminhariam inevitavelmente para o desaparecimento, em bem pouco tempo. O solo da floresta revelava sua inequívoca natureza: tratavam-se de manchas de solos latossólicos eutróficos, derivados dos basaltos da Formação Serra Geral. As matas secas ou florestas latifoliadas semidecíduas possuem origem edáfica, ou seja, surgem a partir de manchas mais férteis de solo pelo Brasil Central. Dilapidadas pela devastação para formação de pastagens ou simplesmente para extração de sua madeira, essas matas são cada vez mais raras e seria estratégia imensamente acertada conservá-las, em Piracanjuba.

Durou relativamente pouco nosso passeio pela mata, uma vez que dela fomos saindo rapidamente e adentrando o cerradão, na medida em que nos fomos deslocando pela trilha, rumo ao centro da grota. A tal trilha parecia se tratar de um carreador ou divisa e havia sinais da passagem frequente de pessoas e até de motocicletas pelo local. Através deste caminho, ganhamos o centro da grota e chegamos ao assentamento dos sem-terra.

(Comentários a seguir integralmente transcritos das impressões originais de 2001) Parece estar um tanto proibido ou politicamente incorreto, nos dias de hoje, tecerem-se comentários críticos ao modelo de reforma agrária brasileiro. O perigo constante é do serem confundidas tais discussões com ataques reacionários ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, ligado aos grupos políticos da esquerda brasileira. Contudo, à luz de um debate técnico ambiental, não creio acertado me furtar a registrar esses comentários.

Sem prejuízo da legitimidade do movimento, conhecido nacionalmente como MST, reforçada pela atuação entre fraca e excessivamente prudente do Governo Federal nas políticas fundiárias, o modelo escolhido está propenso ao fracasso. Salvo algumas admiráveis exceções, noticiadas pela imprensa e passíveis da devida verificação, os tais assentamentos são ocupações altamente predatórias ao meio ambiente e se pretendem imensamente espoliativas dos recursos naturais. Caminham na contramão da modernidade e até do pensamento ambientalista. O exame do que vimos no Vale do Roda-Cuia comprovava isso.

Para se iniciar a análise dos equívocos, os assentamentos existentes em grande parte das terras goianas (não apenas este visto em Piracanjuba) são desenvolvidos em terras caracterizadas como áreas de preservação permanente, de acordo com o Código Florestal. Ou seja, ocupam áreas de terra que não são aptas para a agropecuária, seja por sua vulnerabilidade à degradação, seja pelo mais elementar amparo legal à conservação. Margens de córregos e rios, encostas inclinadas, nada parece segurar a determinação dos novos ocupantes. Ali em Piracanjuba, desde nossa entrada no vale, até a chegada ao centro dos assentamentos, havia inúmeros exemplos do desbravamento de APPs, fosse para exploração da madeira, fosse para plantio de pastagens ou instalação de moradias.

Continuando esta análise, que não se propõe em defesa de tese, mas se nota necessária, não se pode acreditar que grande parte das terras observadas nesta data, no assentamento de Piracanjuba, não se constituíssem em áreas destináveis à manutenção de reservas florestais legais (RFLs). Bastaria que o observador olhasse do alto da serra para a planície que cercava a área e se perceberia que a vegetação então existente na localidade não correspondia à proporção legalmente exigível como reserva (35% atualmente e 20% há alguns anos). O incauto poderia afirmar que a Serra de São José mostrava admiráveis redutos dessa vegetação nativa. Esquecem alguns que a esmagadora maioria deste maciço representa APPs que são excluídas do cálculo das RFLs e, portanto, teriam que ser conservadas de qualquer forma. Soubemos que boa parte das matas e cerradões que visitáramos até aquele momento pertenciam a uma “reserva do INCRA (Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária)”, provavelmente correspondendo às RFLs dos assentamentos em si. Onde estariam, então, as RFLs das fazendas que originaram os assentamentos?

A resposta para essa pergunta certamente dependeria de complexas ações demarcatórias que, de tão caras e complicadas, jamais seriam realizadas. Entende-se, desta forma, que as autoridades que teriam procedido à legalização desses assentamentos teriam aproveitado indistintamente terras de APPs, RFLs e demais talhões, a um só movimento, sedimentando assim uma solução simples para a ocupação das áreas. Mas, como provavelmente jamais venham a ser estudadas a fundo essas questões, lá estavam os assentados, que pouca ou nenhuma culpa teriam disso e que buscavam então um rumo para seu sustento. Pois é justamente daí, deste modelo de sustentabilidade pretendido, que parte o golpe final da inviabilidade destes assentamentos.

Qualquer técnico bem informado que se proponha a analisar a viabilidade econômica do modelo agrícola brasileiro verificará os números apertados dos resultados da atividade. Isso quer significar que as margens de lucro estão cada vez mais curtas (o que é lamentável) e a escala dos empreendimentos vem se modificando, de forma inquietante. Ou seja, áreas cada vez mais extensas de terras resultam margens cada vez menores de lucros, viabilizam-se hoje apenas os grandes negócios. Isso vem levando a gradual estado de inviabilidade os pequenos produtores, que vão se extinguindo, Brasil afora. Mais uma vez, na contramão das tendências, surgem os assentamentos como este de Piracanjuba, baseados em diminutas propriedades e destituídos de qualquer assistência técnica, científica e econômica que os ajudasse a fazer frente à virtual inviabilidade produtiva. O que vimos, em nossa excursão, foram pequenas lavouras abertas na mata, de modo extremamente primitivo, onde os trabalhadores plantavam manualmente roças de diminuto valor agregado (arroz, mandioca e milho, entre outras), com pequenas perspectivas de rendimento.

Volto a alertar sobre a eventual má interpretação de minhas afirmações, talvez entendidas como reacionárias ou favoráveis aos grandes interesses. Esse entendimento seguramente se mostrará equivocado, se forem consideradas as propostas de manejo para o parque natural proposto (Projeto Orquídeas de Piracanjuba). Mas o que se observa como tendência natural para o assentamento de Piracanjuba é uma sucessão de insucessos comerciais, por parte desses pequenos produtores assentados, diante das suas tentativas de exploração tradicional do solo.

Contrariamente à opinião dos mais românticos, uma propriedade rural não pode ser mais hoje uma célula fechada ao mundo. Não se pode esperar qualidade de vida para uma pessoa ou família que não possa ter acesso à saúde, à cidadania e ao próprio mercado de consumo em si. Dessa forma, o modelo de propriedade de subsistência está definitivamente extinto e essas pessoas inevitavelmente irão buscar sua reinserção na sociedade urbana. Vão precisar adquirir bens e serviços e não terão poupança para isso. Não poderão sobreviver daquilo que produzem e passarão a transacionar suas terras ou as abandonarão, diante da impossibilidade de fazê-lo.

Uma alternativa danosa para o meio ambiente passa a ser a busca de apoio à renda nas florestas e cerrados, através da exploração de seus recursos naturais. Pois infelizmente era o que já se percebia, em Piracanjuba. A caça é o primeiro recurso procurado para se obter dieta protéica. Isso ocorre hoje com toda certeza pelos indícios que amealhamos em nossa excursão. A exploração da madeira, como apoio à renda também era praticada e isso pudemos constatar, de forma inequívoca. De resto, sobrariam atividades quase indignas para famílias do mundo civilizado: coleta de frutos e raízes, apanha de animais para venda etc.

Enfim, modelos como esse praticado no Brasil para resolver a questão fundiária não deveriam ser aplicados. Em os sendo, como era o caso de Piracanjuba e de boa parte do estado de Goiás, deveriam ser acompanhados de Planos de Manejo, da intervenção do Poder Público e da Sociedade Civil, com vistas a sustar essa lamentável evolução que acabará gerando inúmeras favelas rurais e a completa destruição do meio natural.  Mas, apesar da contundência do assunto, voltemos ao relato de nossa excursão que passou a acompanhar as cercas de algumas dessas glebas rurais e adentrou lavouras recentemente lavradas.

A sensação desagradável de se caminhar por terras expostas à erosão e ao sol nos fez procurar uma grota situada na cabeceira de um córrego, na direção e sentido das montanhas nas quais caminháramos mais cedo. Percebíamos um adensamento da mata no sentido do interior da grota e para lá nos dirigimos ansiosos. Após deixarmos as últimas lavouras, caminhamos por leitos temporários de rios que bem mostravam o aspecto torrencial da hidrologia local. O terreno arenoso era cortado por ravinas naturais, que se alternavam entre si, na função de escoar as águas copiosas, que deviam descer da serra. Algumas pareciam estar temporariamente inativas, enquanto outras deixavam passar as águas do córrego que vinha das montanhas.

Talvez devido às fortes chuvas que assolavam Goiás no final do ano, as águas do córrego se apresentavam leitosas, levemente turvadas. Acompanhamos o caminho do rio, buscando o rumo de suas nascentes, serra acima. Desta forma, adentramos uma vez mais nas matas densas, fartando-nos de sombra e frescor. A composição arbórea da floresta era muito parecida com aquela das matas secas que percorrêramos antes. Essas florestas ciliares, contudo, exibiam características mais ricas no seu sub-bosque e se percebia nitidamente que a disponibilidade de água no solo era o fator condicionante de seu surgimento. O botânico fitogeógrafo Rizzini já demonstrara que, no Brasil Central, a umidade do solo pode compensar o efeito de maior fertilidade aparente e ensejar vegetação luxuriante, lado a lado com outras mais pobres.

Aumentava a quantidade das mesmas espécies de orquídeas avistadas antes. Em galhos muito elevados, podiam ser avistados exemplares de Cattleya walkeriana, corroborando o que garantira Sebastian, pouco antes. Uma arácea endêmica dos cerrados de Goiás e Mato Grosso se exibia em grande quantidade nas porções mais iluminadas dos grandes troncos: Philodendron mello-barretoanum, com imensas folhas recortadas e raízes longas e finas que descem das alturas até encontrar o chão da mata. Caminhamos com alguma dificuldade pela encosta densamente florestada. Caminhos temporários surgiam e desapareciam, como por encanto, coisa bastante comum nas matas tropicais. O vale do rio, por vezes, se encravava em grotas íngremes e profundas, atestando uma vez mais o caráter movimentado do encontro entre relevo e clima nessa região. Isso nos obrigava a realizar grandes voltas ou a fazer quase escaladas pelas encostas declivosas.

Chegamos a um recanto de extrema beleza, no qual paramos alguns minutos para nos refrescar e dessedentar. Era um conjunto de cascatas murmurantes que descia pelas rochas escuras, entre samambaias, filodendros e orquídeas. Tratava-se de local extremamente aprazível para integrar possíveis trilhas ecológicas nas matas. Dali para cima, a serra começava a se acentuar, prometendo a repetição de mais e mais recantos como aquele.

Avançando já bem tarde a hora, achamos por bem retornar de nosso passeio, uma vez que estávamos bastante longe do automóvel. Pensamos que o objetivo de nossa incursão estava praticamente atingido: o reconhecimento preliminar da natureza local. Avistávamos densa fumaceira sobre a mata e, já havia algum tempo, escutávamos o ruído assustador do fogo a crepitar no vale abaixo. Também já ouvíramos vozes, o que nos dera a clara certeza de serem os posseiros a atear fogo nalguma coisa. Temíamos que viesse o cerrado a queimar, quando poderíamos ser surpreendidos, em meio à macega, sem podermos fugir. Receosos, fomos descendo mais ou menos pelo caminho pelo qual subíramos, inserido na mata densa e menos vulnerável ao fogo.

Por alguns instantes, antes que saíssemos da mata, escutamos conversas de gente que andava por perto. Encontrando-nos tão longe e desprotegidos, tratamos de nos fazer bem silenciosos e, por instantes, aguardamos o deslocamento daquelas pessoas. Na medida em que se foram distanciando os ruídos e certos de que o fogo não nos surpreenderia, ganhamos o cerrado denso e contornamos as lavouras por onde entráramos. No cerradão, encontramos exemplares de uma espécie de Catasetum (gênero de orquídeas comuns no Brasil Central). Em poucos minutos, chegamos à cerca de um dos assentamentos e pudemos observar, sem sermos avistados, um grupo de lavradores que plantavam arroz com matracas manuais. Eram eles que utilizavam o fogo para a limpeza do solo, sem qualquer cuidado para que este não se propagasse cerrado adentro.

Caminhamos ao longo da cerca que separava as lavouras do cerrado, adentrando-o em alguns trechos. Aos poucos, fomos retornando na direção do carro, satisfeitos por termos estado em locais tão belos, mas preocupados com seu destino frente à inexorável escalada humana sobre a natureza. Refletíamos sobre as possibilidades de se implantar, naquela região, uma extensão do projeto que iniciávamos para a cidade de Piracanjuba, que consistia num centro de convenções e exposições de orquídeas. Natureza e ser humano pareciam conspirar para que isso acontecesse. Pelo lado da primeira, surgiam paisagens e recantos belíssimos, acompanhados de atraente biodiversidade, prontos a serem transformados num parque. Por parte do ser humano, vislumbravam-se grandes possibilidades de se aproveitarem os assentamentos e sua gente como apoio para projetos de manejo turístico e ecoturístico. Uma fazenda situada ali bem próxima e com divisas diretas para estas reservas florestais, parecia estar disponível para que o Estado e o Município implantassem uma unidade de conservação. Enfim, pareciam existir grandes esperanças para as orquídeas e matas de Piracanjuba, desde que assim se desejasse.


domingo, 11 de março de 2018

O PLANALTO DE ITATIAIA - ESTADO DO RIO DE JANEIRO – FEVEREIRO DE 2019




Jamais tivera oportunidade de visitar o altiplano do Parque Nacional do Itatiaia, primeiro Parque Nacional de nossa história e uma das mais exuberantes coleções de ecossistemas relacionados às grandes altitudes, nos domínios da Floresta Atlântica. Seguindo para mais uma viagem ao Centro-Oeste, em fevereiro de 2018, apontei minha navegação para este admirável setor da Serra da Mantiqueira, sendo-me então possível visitar as formações vegetacionais de araucárias, na vertente interiorana do maciço (ver postagem anterior – Parque Estadual da Serra do Papagaio - http://expedicaofitogeografica2012.blogspot.com.br/2018/03/nova-passagem-pelas-florestas-de.html), um dia antes. Desta feita, subi a estradinha que parte da rodovia BR354 (ligação entre a Dutra e o chamado Circuito das Águas, em MG), na chamada Garganta do Registro, percorrendo cerca de quinze quilômetros, em meio a diversas fisionomias relacionáveis à floresta altimontana da Mantiqueira, até chegar ao subdomínio dos campos de altitude, lendário laboratório dos maiores botânicos do país.

Com absoluta certeza, minha insaciável curiosidade me levará novamente ao Planalto do Itatiaia, que se eleva a cerca de 2.600m acima do nível médio do mar, por conta de sua flora única e de seus panoramas simplesmente estonteantes. Mesmo em face de visita tão breve, pude examinar diversos aspectos da fitogeografia do Parque Nacional e terras limítrofes. A seguir, você poderá conferir as mais ligeiras anotações sobre a região, acompanhando as usuais fotografias de ambientes e plantas:

Desde a linha de cumeada da Serra da Mantiqueira, que divide o Vale do Paraíba da alta bacia do rio Grande/Paraná, a noroeste, na altura da Garganta do Registro (1.600m), a estradinha do Parque Nacional ascende gradativamente, cortando florestas de altitude, cuja flora é singular - ABAIXO



Acima – Em galhos e troncos delgados, expostos à umidade constante e às correntes de ar frio, que circulam entre as montanhas, medram delicadas orquídeas Cattleya coccinea (=Sophronitis coccinea), cujas flores encarnadas já emprestaram lindos tons a famosos híbridos comerciais, desde o Século XIX.
Abaixo – Detalhe das flores de Cattleya coccinea, na floresta de altitude do Itatiaia



A seguir – As nuvens orográficas – relacionadas às cadeias montanhosas – encostam de forma constante na floresta de altitude, suprindo-as delicadamente de umidade, que beneficia luxuriante vegetação. A flora é megadiversa e reserva surpresas a cada metro, ao longo da estradinha do Parque Nacional


Acima – Matacões de rocha granítica abundam em toda a cumeada da Mantiqueira, revelando passado remoto frio e seco. Velhos fragmentos de diaclases monumentais adentraram período atual úmido e mais quente, sendo completamente envolvidos pela floresta densa e ensejando o surgimento de notáveis coleções de plantas

Acima – Plantas adaptadas à vida nestas condições ajudam a formar os belos jardins naturais, agarrando-se às rochas em decomposição, como esta Sinningia gigantifolia (família Gesneriaceae)

A Seguir – Uma das plantas de maior plasticidade de hábitos, nessas florestas de altitude, é a bromélia Vriesea itatiaiae:

Acima – Vriesea itatiaiae no interior da floresta densa

Acima – Vriesea itatiaiae sobre velho tronco decadente, onde experimenta maiores taxas de iluminação, assumindo bela tonalidade vinácea


Acima e Abaixo - Vriesea itatiaiae vegetando em habitat rupícola, sobre afloramento rochoso, acima dos 2.000m



Acima – Vriesea itatiaiae crescendo em populações adensadas, no ambiente tipicamente saxícola – entre pedras, nos afloramentos acima dos campos de altitude, no morro do Couto, cerca de 2.600m


Acima – A bromélia Nidularium marigoi (epíteto que homenageou, ainda em vida, de forma merecida, o fotógrafo-naturalista Luiz Claudio Marigo) é exclusiva do estrato umbrófilo da floresta de altitude do Itatiaia


Abaixo – Campos úmidos intercalam florestas e afloramentos de rocha, formando bacias formadoras importantes da copiosa rede de corpos d’água, que vão ter ao Vale do rio Paraíba, muito abaixo. A condição de saturação hídrica, como afirmamos em nosso livro – FITOGEOGRAFIA DO BRASIL, UMA ATUALIZAÇÃO DE BASES E CONCEITOS (NAU Editora, 2015 – ver postagem: http://expedicaofitogeografica2012.blogspot.com.br/2015/10/o-livro-fitogeografia-do-brasil-uma.html ) – ensejam vegetação campestre, em meio a domínios fundamentalmente florestais


Abaixo – A estradinha do Parque Nacional do Itatiaia, por vezes, permite avistar lindos panoramas, embora o tempo andasse bem carregado, desta vez



Acima – Justaposição de vegetações notáveis: florestas de altitude, lado a lado com extensos afloramentos rochosos, que comportam flora singular e também variada, na qual a intensa luminosidade faz surgir espécies heliófilas

Acima – Fuchsia regia (fam: Onagraceae) é espécie típica das matinhas hiperúmidas de altitude do Parque Nacional do Itaiaia

  
A Seguir – Os campos de altitude são mesmo a paisagem mais marcante do Planalto do Itatiaia. A condição de solos muito rasos, algumas vezes pejados de blocos de rocha fragmentada, sob variações térmicas e higroscópicas fenomenais, origina vegetações essencialmente campestres. Sua flora é bastante antiga e o grau de endemismo restrito é notável, abrigando diversas espécies exclusivas.

Acima – Paisagem típica do Planalto do Itatiaia, acima dos 2.600m, vendo-se o Pico das Agulhas Negras ao fundo, ponto culminante do estado do Rio de Janeiro, com 2.790m

Acima – As superfícies mais planas conseguem acumular alguma quantidade de solos propriamente ditos, sendo ocupadas por mosaicos interessantíssimos de florestas em miniatura, ou simplesmente campos de altitude, onde a flora revela a natureza predominantemente saturada de umidade do substrato

Adiante – Liquens abundam entre plantas adaptadas à condição de solos rasos e de saturação hídrica contínua. Desde liquens laminares, que ocupam a superfície dura das rochas, até espessas alfombras, com lindas formas, esse grupo de plantas simbióticas primitivas funciona como pioneiro, na colonização desses ambientes extremamente duros, no Planalto do Itatiaia




Acima – Cortes na estradinha exibem muito bem a estrutura edáfica e as estratégias das espécies de plantas que colonizam esses solos de natureza orgânica do Planalto do Itatiaia

Acima – O delicado bambuzinho Chusquea pinifolia (fam: Poaceae) é uma das espécies mais importantes dos campos de altitude do Planalto do Itatiaia

Acima – Aspecto característico dos subdomínios de campos de altitude do Planalto do Itatiaia, sendo possível notar a influência determinante da umidade nebular. Atentar também para o mosaico formado por vegetação de campos sobre rochas e afloramentos rochosos, coisa marcante nessa altiplano

A Seguir – A bromélia Fernseea itatiaiae é restrita aos campos de altitude do Planalto do Itatiaia e representa espécie bastante rara, em tempos atuais. Pode ser avistada, sem dificuldade, ao longo das trilhas do Parque Nacional



Acima – Fernseea itatiaiae crescendo diretamente sobre a rocha, como rupícola
Abaixo – Fernseea itatiaiae vegetando de modo saxícola, entre rochas, ou nos depósitos de material orgânico






 
Acima – A delicada Fuchsia campos-portoi (fam: Onagraceae) é a espécie típica dos campos de altitude do grupo

A Seguir – A predominância de solos orgânicos saturados de umidade favorece espécies bromeliformes da família Apiaceae (=Umbeliferae), como Eryngium glaziovianum, cujos capítulos florais exibem coloração elegantemente violeta, que contrasta com a paisagem:




Acima – Eryngium glaziovianum pode vegetar nos paredões rochosos, entre outras espécies heliófilas, tirando partido de filetes perenes de água, que umedecem essas rochas


Acima – Também relacionadas à saturação hídrica dos solos orgânicos dos campos de altitude, surgem delicadas flores de Utricularia reniformis (fam: Lentibulariaceae)

Acima – Alstroemeria radula – família Alstroemeriaceae

Acima – Orquídea terrestre do gênero Habenaria

A Seguir – A família Velloziaceae não é tão comum no Planalto do Itatiaia, quanto sua representante do gênero BarbaceniaBarbacenia gounelleana, com lindas flores encarnadas, que chega a forrar grandes superfícies de rocha, nos matacões e afloramentos




Acima – O autor Orlando Graeff examinando um Blechnum brasiliense, no Planalto do Itatiaia, foto obtida pelo guia Kawê Ribeiro




Acima – A delicada flor de Gelasine coerulea (=Alophia sellowiana – fam: Iridaceae)

Abaixo – A verdadeira ocorrência do pinheiro-brasileiro, ou pinheiro-do-paraná, ou mesmo araucária (Araucaria angustifolia – fam: Araucariaceae) parece que ainda ficará envolta em certo mistério, na Fitogeografia. Minha visita ao Parque Estadual da Serra do Papagaio, no dia anterior a esta do Planalto do Itatiaia, ajudara a elucidar bastante seu corredor, pelo anverso da Serra da Mantiqueira, vinda do Sul. Aqui em cima, na borda interior do Maciço do Itatiaia, elas podem ser observadas, em meio à floresta nativa, ocupando espaço intrigante, que talvez possa ser relacionado a influências humanas pretéritas, embora demonstrem estar ali, há muito tempo



domingo, 4 de março de 2018

NOVA PASSAGEM PELAS FLORESTAS DE ALTITUDE DE ITATIAIA-RJ E ITAMONTE-MG FEVEREIRO DE 2018



Parque Estadual da Serra do Papagaio - MG

Cerca de oito anos após ter atravessado a divisa entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, por cima da Serra da Mantiqueira, na região do Maciço do Itatiaia (ver postagem anterior - http://expedicaofitogeografica2012.blogspot.com.br/2018/03/relatos-de-uma-passagem-pelas-florestas.html ), decidi fazer nova investida fitogeográfica, cruzando pelo eixo mais a oeste, na tríplice divisa RJ-SP-MG, contornando o Parque Nacional do Itatiaia pela rodovia que liga a Via Dutra a Caxambu, no Circuito das Águas. Baseando-me na pequena e agradável Itamonte, em Minas Gerais, empreenderia desta vez excursões tanto pela região de ocorrência das araucárias (Araucaria angustifolia – fam: Araucariaceae), quanto pelo Planalto do Itatiaia, que ainda não conhecia, até então.

A viagem ocorreu, como de costume, em meu rumo entre Rio de Janeiro e Mato Grosso, no final de fevereiro de 2018. Chuvas muito intensas vinham marcando os últimos dias, o que não chegou a atrapalhar as atividades. Parece que a sorte me acompanhou, tanto neste bloco de atividades pelas matas de araucária, quanto no dia seguinte, quando visitaria o Planalto de Itatiaia (a ser publicado na próxima postagem), pois estive sempre fora da trajetória das chuvas. O calor, este sim se mostrou realmente um fator incomum, em meio a paisagens cuja altitude mínima andava na faixa dos 1.700m.

Segui a mesma direção da excursão anterior, de 2013, porém em sentido inverso: enquanto naquela ocasião ascendi ao Planalto das Araucárias vindo de Visconde de Mauá, para a cidade de Alagoa, já em território mineiro, desta feita também buscaria a mesma localidade, porém, vindo de Itamonte. Minhas atenções se concentraram nas áreas do Parque Estadual da Serra do Papagaio, unidade de conservação mineira que protege as formações de matas de pinhais e campos de altitude, precioso mosaico de paisagens botânicas relacionadas à Araucarilândia de Hoehne. Em minha obra, intitulada FITOGEOGRAFIA DO BRASIL, UMA ATUALIZAÇÃO DE BASES E CONCEITOS (NAU Editora, 2015), conferi grande importância à ocorrência desses desafiadores ecossistemas de altitude, com índole subtropical, cuja espécie característica é mesmo a velha araucária ou pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia).

Veja a seguir as imagens relacionadas a esta visita ao Parque Estadual da Serra do Papagaio, acompanhadas de comentários a respeito da flora e fitogeografia:

Adiante – Vasta área de encostas inclinadas para o vale de Alagoa, desde os 1.700m de altitude, abrigam florestas de altitude típicas da Serra da Mantiqueira, nas quais nem uma só araucária está presente. A flora predominante é mesmo aquela que se dispersa pelas grandes altitudes das serras fluminenses e mineiras



Acima – A delicada orquídea Gomesa warmingii (=Oncidium warmingii) é típica do sub-bosque dessas matinhas baixas de altitude

Acima – Outra orquidácea bastante comum, nessas florestas em miniatura é Zygopetalum intermedium


Acima – Plantas espinhentas do gênero Eryngium (família Apiaceae) são características dos afloramentos e campos de altitude. Na vegetação original, são pontuais e ocupam áreas úmidas e iluminadas. Nas pastagens, podem predominar e quase inviabilizar o pastoreio, porquanto ferem a boca dos animais, quando estes procuram as gramíneas

A Seguir – Para além dali, um corredor que se estende a norte do eixo da estrada entre Itamonte e Alagoa revela ser a faixa de ocorrência natural das matas de araucárias, tanto quanto dos campos de altitude que compõem o complexo de vegetações relacionadas à Araucarilândia. A paisagem se altera de forma notável e a flora acompanha as mudanças






Acima – Solos expostos na margem da estradinha, por conta de terraplenagens, mostram a natureza historicamente campestre de alguns fragmentos, embora a paisagem, de modo geral, ainda guarde influências do extenso período em que abrigou atividades pastoris, que regularizaram a vegetação, através do fogo e do pastoreio, principalmente

Acima – Essa imagem representa exatamente a complexidade atual de interpretação do mosaico campos - florestas de araucária, que caracteriza a região da Serra do Papagaio: ação do fogo, erosão pretérita (natural) e atual (antrópica), pastoreio e exploração madeireira e lenheira de longa data. O resultado torna enigmáticas a distribuição e as tipologias vegetacionais do presente

Acima – Assim como ocorre com as florestas de araucária do Sul, esta aqui de Minas Gerais encontra pontos de tensão com as vegetações circundantes, aumentando ainda mais a complexidade das fisionomias de vegetação. Nesta imagem, a floresta mista de araucárias se mistura às florestas estacionais semideciduais, com suas árvores frondosas, de índole tropical

A Seguir – Nos capões de floresta de natureza subtropical, que acompanham vales mais dissecados e margens de rios, pode ser apreciada a influência marcante do célebre pinheirinho-bravo (Podocarpus lambertii – Podocarpaceae), que acompanha as araucárias, em quase toda a Araucarilândia. Os pinheirinhos-bravos são elegantes e carregam folhas perenes, que formam como que estufas naturais, sob as quais vegetam miríades de plantas epífitas



Acima – Troncos de Podocarpus lambertii, em meio à vegetação densa, abrigando verdadeiros jardins de bromélias e orquídeas


Acima e abaixo – Exemplares isolados de Podocarpus lambertii, em meio às clareiras, entre os capões de pinheirais, onde hospedam preciosidades botânicas como a orquídea Specklinia grobyi (Pleurothallis grobyi), que forra galhos bem iluminados e arejados




A Seguir - As bromélias Aechmea distichantha são importantes na Serra do Papagaio, vegetando de forma praticamente idêntica à que fazem, em boa parte da floresta mista de araucárias do Paraná, área central da Araucarilândia. Veja como ela surge, tanto no interior dos capões escuros, quanto em suas bordas e sobre árvores isoladas, onde assumem tonalidades avermelhadas, bastante decorativas




Abaixo – Paisagens campestres, herdadas em parte da natureza regional, em parte da pecuária decadente, exibem quadros belíssimos, na Serra do Papagaio: intensas florações de melastomatáceas do gênero Chaetostoma